Quem sou eu

Minha foto
BELO JARDIM, NE/Pernambuco, Brazil
"... O sonho pelo qual brigo, exige que eu invente em mim a coragem de lutar ao lado da coragem de amar..." Paulo Freire Educador pernambucano

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

A FABEJA, em: "Alegria de pobre dura pouco"



Há alguns meses atrás, a Faculdade de Belo Jardim foi contemplada pelo Proupe (Programa Universidade para Todos) do Governo do Estado, o programa destina bolsa de estudos para alunos das autarquias municipais. A AEB foi contemplada com 800 bolsas, a segunda colocada dentre as treze autarquias do Estado. Motivo de festa para @s estudantes, a notícia foi veiculada/festejada nos meios de comunicação da cidade e região.


Essa seria,inclusive, uma maneira da FABEJA sair da crise, professor@s, alun@s e funcionári@s contavam com isso.

Mas, como diz o dito popular “alegria de pobre dura pouco”, veio o balde de água fria: como exigência para assinatura do acordo, era preciso que a Autarquia estivesse adimplente junto aos órgãos governamentais. No entanto,a realidade é cruel. Deve muito, não nega e nem paga! Só com o INSS e com o FGTS, a dívida ultrapassa a casa dos 6 (seis) milhões de reais, a isso, ainda soma-se um montante devedor ao Fundo de Previdência de Belo Jardim - O Belo Jardim/PREV.




Deve haver por lá, um grande ralo por onde o dinheiro que entra escoa, pois não precisa ter grandes conhecimentos contábeis para entender a equação: Receita (+ de 1.800 alunos) X despesas, para saber que a FABEJA tem sim condição de se manter financeiramente.

Vale aqui lembrar, que das 13 autarquias municipais contemplada com esse programa, apenas Belo Jardim fica de fora. A inadimplência é grande!

O prefeito da cidade, procurado pelos professores, em reunião afirmou que não pode ajudar a FABEJA a sair do buraco, e nós até sabemos os motivos, ela também está atolada em dívidas.

Para onde vai o dinheiro da arrecadação da cidade, a receita da Faculdade...ninguém sabe, a gente só sabe que entra, e não é pouco não, isso você pode ter certeza.

Agora, cá pra nós, débitos dessa magnitude não se acumulam do dia pra noite, isso é fato!

A verdade é que essas dívidas foram geradas historicamente pelos vários presidentes da AEB ao longo dos anos e aprofundadas na dinastia dos Mendonça/DEM. Ou seja, se o caso for parar nas mãos do Poder Judiciário, muitos presidentes e prefeitos terão que dar explicações.

Do jeito que a coisa tá andando, a FABEJA, uma Instituição que existe há 35 anos, que já formou milhares de profissionais ao longo da sua história, poderá fechar suas portas, trazendo sérias conseqüências para a cidade, além das centenas de professor@s e funcionári@s desempregad@s, mais de 1.800 alun@s da cidade e da região ficarão a ver navios.


Uma coisa é certa, sem que haja a quitação dos débitos, não há caminho/estratégia que possa fazer com que a Faculdade seja beneficiada com esse programa ou qualquer outro que possa vir no futuro.

O correto seria que professor@s e alun@s da entidade levassem essa situação para ser resolvida na Justiça, se isso não acontecer, muito em breve será jogada a última pá de cal! O que resta por lá não dá nem pro caldo!






5 comentários:

josenildo disse...

Matéria muito oportuna.

menage disse...

Lamentavelmente em vésperas da aprovação da nova versão do Plano Nacional de Educação podemos ver que estamos ancorados no velho paradigma que envolve os mecanismos de controle social e a população. Infelizmente a mentalidade nacional embalada pelos chavões jogados como opinião pública pelos meios de comunicação relegam a coisa pública ao poder público, daí esses exemplos de descaso e de impunidade!
Professor João Adriano (Mestrando em Ciências da Educação)

Christiano disse...

Embora não sendo bolsista, eu partilho do mesmo sentimento de indignação e revolta dos meus colegas de faculdade. Sem falar na imensa vergonha de ouvir esses mesmos colegas dizerem: “se estivéssemos em outra autarquia isso não teria acontecido”. Mais do que vergonhoso, é constrangedor constatar que o des-governo constante deste município já não afeta apenas quem dele participa ou quem para ele contribui – como eu, como nós. Pois tal desgoverno já se tornou como um mal contagioso, capaz de causar dano a qualquer um que dele se aproxime. Com efeito, é o que sucede a dezenas de estudantes de municípios vizinhos, muitos da zona rural, que saem de casa antes do entardecer e só retornam por volta da meia-noite, que por esforço, competência e mérito próprio deveriam agora estar sendo beneficiados, mas que devido a um realidade política, profundamente viciada, estão sendo inopinadamente prejudicados.

Não sei até quando isso vai durar, ou como terminará. Só sei que no presente momento a FABEJA vive assombrada pelo fantasma da falência, e todos os que lá trabalham ou estudam falam do futuro da instituição com aquele tom de voz apreensivo e incerto de quem fala de um agonizante.

Igor disse...

Sinceramente, não sei como os alunos e professores deixaram uma faculdade chegar a esse estado, toda faculdade deve prestar contas, sendo privada ou pública, e cabe ao cidadão acompanhar e cobrar, se a faculdade chegou a esse ponto é culpa não somente dos prefeitos e/ou presidentes, a culpa é da população que não liga até sentir a dor de perder alguma coisa, e com certeza, ninguem vai se mobilizar, irão continuar falando... e só isso.
Parabéns para todos pelo fracasso da FABEJA.

Edson Kajuru disse...

Já faz algum tempo que a situação da FABEJA vem sendo abordada pela câmara de vereadores. Lembro-me perfeitamente de reuniões em que @s presidentes da Autarquia foram chamados para prestarem "esclarecimentos" sobre as contas daquela entidade, mas, como sempre, forças ocultas deram um cala-bocas nos representas do legislativo, que deixaram o tempo passar e a bomba continuou chiando...
Agora estamos perto de presenciar o estouro dessa bomba, que poderá ser tão forte quanto a atômica, caso conte com o empenho e determinação dos poderes para tocarem uma investigação. Ou não passará de um simples "traque de sala"...!!!